Postagens

Dia Mundial da Saúde: o mundo vive uma pandemia silenciosa

No momento em que a Covid-19 parece perto do fim graças à vacinação em massa, o globo enfrenta uma pandemia silenciosa trazida pela perda auditiva, que tem o seu tratamento: cuidados no dia a dia e diagnóstico precoce

Nos últimos meses, o fim da pandemia de Covid-19, que nos afeta desde março de 2020, parece mais próximo. Em muitas cidades do país e do mundo, a queda nos índices de contágio e de óbitos fez com que muitas medidas restritivas fossem retiradas, como a obrigatoriedade de uso de máscaras, seja em ambientes fechados ou abertos. Neste Dia Mundial da Saúde, porém, nosso foco será falar de uma pandemia silenciosa desconhecida por muitos, a perda auditiva.

Basta observar alguns dados para confirmar a gravidade deste quadro. Estima-se que, no Brasil, 10,7 milhões de pessoas sofram com algum tipo de limitação auditiva, o equivalente a mais de 5% da população. Há uma prevalência maior nos homens no Brasil: 54% dos diagnósticos são para o público masculino e 46% para as mulheres. Desse total, 2,3 milhões sofrem com deficiência severa. Os números são de uma pesquisa do Instituto Locomotiva.

O cenário não é diferente no restante do mundo. As Nações Unidas estimam que 466 milhões de pessoas sofrem de perda auditiva em todo o globo. Nesse índice, cerca de 34 milhões de casos são de crianças. E o pior: muitos não procuram ajuda para esse problema por desconhecimento ou até mesmo preconceito.

Por que chamamos de pandemia silenciosa?

O conceito de pandemia, conforme a OMS, é a disseminação mundial de uma nova doença, quando um surto ou epidemia, se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa. É claro que a Covid-19 é um quadro muito diferente da perda auditiva, que não é propagada por um vírus.

No entanto, a perda auditiva se tornou uma condição que afeta a todos os países, independentemente de sua localização geográfica ou tamanho do Produto Interno Bruto. De acordo com a OMS, em um relatório mundial sobre audição, divulgado no ano passado, cerca de 2,5 bilhões de pessoas da população mundial terão algum grau de perda auditiva em 2050. Isso equivale a 25% da população do planeta.

Se no caso da Covid-19 a criação das vacinas foi a forma de proteger a população contra a doença em sua versão mais grave, a pandemia silenciosa também tem solução: prevenção e diagnóstico precoce. O mesmo relatório da OMS indica que 60% dos casos existentes no mundo poderiam ser evitados com mais cuidados adequados.

Existe vacina contra a pandemia silenciosa: a prevenção e diagnóstico precoce

De acordo com a OMS, as precauções contra a perda auditiva podem se caracterizar em três níveis:

– A prevenção primária visa evitar o surgimento de uma condição de saúde adversa, com cuidados no dia a dia e muita atenção a qualquer sinal relacionado ao problema.

– A prevenção secundária objetiva detectar uma condição em seu estágio inicial, o que torna mais simples de tratá-la e evita o seu agravamento. Ou seja, investir em cuidados e informação para que as pessoas busquem ajuda nos estágios iniciais da perda auditiva.

– A prevenção terciária ocorre quando, apesar de já existir a condição, são feitos esforços para recuperar a função e diminuir o impacto na qualidade de vida do paciente. Estima-se que duas a cada três pessoas com perda auditiva sofrem com dificuldades em sua rotina.

Deixando o preconceito de lado

O primeiro passo para que as pessoas passem a buscar mais prevenção e o diagnóstico precoce é terem mais informações sobre o quadro e perderem o preconceito referente à perda auditiva. A condição não está necessariamente relacionada ao envelhecimento, embora seja mais comum na população de mais idade.

De acordo com a OMS, as causas mais comuns são: questões genéticas, complicações no nascimento, doenças infecciosas, infecções crônicas do ouvido, uso de medicamentos específicos, exposição a ruído excessivo e envelhecimento.

Se observarmos a população brasileira, atualmente são cerca de 60 milhões acima de 50 anos, quando os sintomas da perda auditiva costumam se manifestar. Em 2050, a estimativa é de que sejam 98 milhões de habitantes com mais de 50 anos.

Mas os cuidados e a atenção precisam vir desde a infância. No caso de jovens e adolescentes, a instituição reforça que seis em cada dez casos são por causas evitáveis, como elevada exposição a ruídos e uso demasiado de fone de ouvido, entre outras.

Independentemente da idade, quando há o diagnóstico da perda auditiva, o principal tratamento é o uso de aparelhos auditivos para os casos de perdas leves a severas – detectados na condição ideal – e os implantes cocleares para perdas profundas.

O ideal é que o paciente não espere o quadro se agravar até começar a usar os aparelhos auditivos,conforme explicamos neste artigo do blog.

Quanto mais cedo os cuidados forem tomados, mais sucesso no tratamento e menores os efeitos na rotina. Neste Dia Mundial da Saúde, fique atento à sua saúde e de seus familiares para que não se tornem vítimas desta pandemia silenciosa. A vacina está em nossas próprias mãos: atenção aos primeiros sinais de perda auditiva e a busca de ajuda especializada para um diagnóstico precoce.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros Posts

Categorias

Newsletter

New episodes will always updated regularly

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed dosertakle eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Procurar unidade

Itapema
Jaraguá do Sul
São Bento do Sul